David Haize´s Love Poems in English

 

The Last Fallen Leaves

II Love

 

Love – thou art Veiled

A few – behold thee –

Smile – and alter – and prattle – and die

Bliss – were an Oddity – without thee

Nicknamed by God –

Eternity

Emily Dickinson (in Love – thou art high –)

       

The voice of my heart denies

The reason of my mind

And my eyes refusing discipline

Light up a single word

Stay

*

Sometimes

When my fingers

Are unable to reach your lips

When my ears

Are unable to describe the sound of your words

When my eyes

Are unable to seize the light of your look

Love is named pain

*

All these feelings

Dragging on my heart

Burning my soul

Scaring my mind

Resumed in a single word

Love

*

Put away your mask

Delete your make-up

Overcome your fear

Show me love

*

Why are you so far away

And so close your skin?

Why is your voice a joke

And a truth your eyes?

Why are words an easy game

And love a painful call?

*

Come

Let me lay my dream on your smile

Let me fly into the sky of your hope

Let me grasp the color of your words

Let me pick up the flowers of your silence

Let me be for a second the madness of your desire

Come

*

Sweet sin of my dream

Come down to me

I shall fly to the land of love

With fear away from me

*

Where have you been

Shadow of desire

I rode through the night

Without drinking your smell

Please come

I´m still wild

*

Let your lips

Climb my lingam

Let your tongue

Be the tide of my sperm

Enter the Word upon my soul

*

Here is my Body

Lick him

Suck him

Let him enter yours

Enjoy him before the sunset

For life is short and the answer unknown

*

Such a long time without tasting your skin

Such s long time without reading your mind

Such a long time without testing your heart

*

And when your tongue creates

Among drops and grass

The roads to my body

Up to my lingam´s heights

Picturing the perfume of my sperm

I coagulate the taste o life

Beyond the instant

*

Don´t wait for an answer

When my fingers are unable to connect your skin

Don´t expect tenderness

When flesh doesn´t catch fire

Don´t knock on my heart

When you seize your feelings

*

Gone time of love

When my body was free

When yours was free

When bodies were available

Before fear made them just a long distance voice

Closing the century

*

Lonesome night

I feel your mouth over there

And on my belly your hair

But it´s just a short flight

Before my right hand plays love

With the remaining of desire

To fill the empty side

*

Love

Come

Make me spring up

Oh angel of identity

Within my name

Beyond eternity

*

Under the moonlight

Like a holy animal waiting for you

With my heights up to heaven

To fulfill your desire

*

Tomorrow is already turning over the page of your face

And yet today I´m still painting the killing of love

And yesterday is becoming the whiteness of emptiness

*

Not even a stolen kiss

Not even a frozen dream

Just the naked night

Including your absence

Excluding love

*

I shall be there

In the endless land of Words

Picking up the flowers of desire

In the silence of your eyes

Crossing the landscape of your body

*

Round trip love

First leg

Champagne dream caviar

Second leg

Some drops of gall in emptiness

*

And yet beloved love

Waiting without hoping

Searching the tune of roots

Before destination

*

Love

One way trip

No luggage but light dust fever

And some coins of memory

*

And yet imperial love

Lightening the fire of universe

Banishing lies

Springing up the Verb

*

It must be love

Such a trembling skin

Such a flying heart

The pregnant word

And the silence of the loser

Naming that strange feeling

That must be love

*

Love under silence

Crowed and wet

Wearing the desperate song

Of the lonesome rider

Searching out his own voice

*

Come on

Tell me the legend of the wind

When it blows up your heart

Too heavy for flying

Too light for staying

*

So take my hand

And taste the smell of my flight

Far away from the Termite´s land

Riding among angels and shine

The carnal words

*

Kiss me through my words

Touch me through my look

I shall drink the breath of your eyes

And rest for the rest of my passion

*

Stop asking what you know

Don´t you see love dazzling?

Stop asking for time

Don´t you see life running away?

Oh bring me roses and wine

And step into my heart before dawn

*

I

Lonesome knight-errant

On the dazzle road

Offer you the unreachable land of the words

When love has no name

*

Oh love

Love that glitters

Over passion or light

Among gods

In the endless sky of the lost desires

Listen to my heart

Opening the gate of the abyss

*

Should I die gathering words

Should I lie to my truth

Should I cry my transgression

Please post my love

Before the end of my term

*

Go ahead

Tell me I cannot

Say it is forbidden

I want the knife of live on my throat

Transgression

*

Oh Lord

The world fills me

And yet I am empty

Please give me silence

*

So far so close

So deep so cold

Oh autumn wind

Sweeping away the remaining feelings

Like the last fallen leaves

While the whistle blows

In the last station of my heart

*

(From the book Inidentity/2001)

Forgotten Hours

(Last Love Poems)

 

Come lie with me my love

Love lie with me

/…/

And have enough of making love

And let our two selves speak

All night under the cypress tree

Lawrence Ferlinghetti (in Come lie with me and be my love)

 

Be my guest

put your face on my heart

Leave your thirst on my chest

Close your eyes

And fly into the kingdom

O desire

*

Less than an image

More than a shade

Just a mirage

Hustling to fade

*

Silence is burning your voice

Feelings under dust

Painful game to play

Please be mad

Take my hand before dark

*

Wild shadow of your soul

Distant shore of your lips

Dropping silence

Or words in the mist

While the wind of desire blows up your heart

*

Come on sweet liar

Dare before leaving

Life is nothing but a short dream

Time is already ringing

And soon will toll the bells

Let the joy be

Touch me

*

Open your heart

For life is short

Don´t be too hard

A fear named Time is pressing me

Don´t let me misunderstood

While the sun is still shining

*

August, 1997

(From the book O Deslizar das Horas/2009)

Anúncios

ENTREVISTA AO JORNALISTA JOÃO  NUNES

P – Como é Roldan na intimidade?

R – Escrevo. E subordino tudo à literatura.

P – Você já disse que a vida se resume a escrever, não disse?

R – Sim. Sou uma pessoa limitada. Sei apenas escrever.

P – Você é limitado em que sentido?

R – Não sou abrangente. E sou (e não estou) deslocado.

P – Você fala em dor de viver. O que significa isso?

R – Não ser abrangente. Não poder absorver o universo. Ser limitado. E, sobretudo, ser deslocado, em todos os sentidos. Não se pode viver tudo numa única existência, pois a vida que é muito vasta. E o deslocamento se dá, em parte, porque não se pode viver o absoluto na rotina do dia-a-dia.

P – Portanto o dia-a-dia é desagradável?

R – É. Na medida em que é impossível estar constantemente no ápice. Ou seja, criando.

P – Você tem laços profundos com quatro paises: Brasil, Espanha, França e Marrocos. De qual deles você se sente que mais próximo?

R – Pertenço de um modo ou de outro a todos eles.

P – E como se sente como cidadão do mundo?

R – Sinto-me, antes de mais nada, escritor.

P – Escritor brasileiro?

R – Clarice Lispector foi uma escritora brasileira nascida na Ucrânia. Sou um escritor brasileiro nascido na Espanha. Os escritores, sejam brasileiros, chineses, russos, ou americanos, têm algo em comum: são escritores, com a conotação universal que isso implica.

P – Sua abordagem do sexo choca alguns leitores pela sua crueza. Você não acha que poderia ser mais sutil?

R – Guardo as sutilezas para outros campos. Como, por exemplo, o jogo amoroso, tão rico, complexo, e extenso. Essa batalha delicada e voraz que se estabelece entre duas pessoas que se amam. Pois o amor, como o sexo, também é, no fundo, uma questão de poder. Mas por que deveria usar sutilezas numa penetração vaginal ou anal, numa felação ou numa masturbação? Por que não encarar o sexo com mais naturalidade, com mais espontaneidade? Além do mais, sinto os eufemismos muito próximos da hipocrisia. Por outro lado, a estética do gosto médio é medíocre e, em certos casos, vulgar. Não me interessa em absoluto pasteurizar o gozo. Faço questão de não edulcorar o prazer.

P – Você aceita o risco de ser rotulado de pornográfico?

R – A vida é feita de riscos. Viver é muito perigoso, dizia Guimarães Rosa. Quem não arrisca acaba na flacidez da acomodação. E isso é lamentável. Além de vulgar. Eu gosto daqueles que arriscam e ousam. Sexo, para mim, é uma celebração da vida. Como uma boa refeição. Ou como um banho de mar ou de cachoeira. A pornografia é a exploração comercial do sexo pela mídia. Pode ser soft core ou hard core. Aliás, eu diria que, via de regra, o soft é mais pornográfico que o hard. Quanto a rotular, bem, isso não passa de mero reducionismo.

P – O amor é um tema muito presente em sua obra. O que representa o amor para você?

R – E onde é que o amor não está presente? O amor é tudo. O amor é a antítese da morte. E amar é o mais poderoso antídoto contra a morte.  Portanto, é vital. É vida. E nada é mais importante do que a vida.

P – E a solidão?

R – O ser humano é irremediavelmente só.

P – E a dor da identidade de Roldan?

R – É a dor de não pertencer a nada. Algo muito pessoal. É um preço a ser pago por um caminho que eu não escolhi.

P – Você, apesar de cético e às vezes muito sombrio, celebra a vida, e seus romances sempre se fecham com esperança. Você condena o suicídio?

R – Não. Cada um deve ter a liberdade de decidir quando quer partir. Logo, é uma questão de liberdade individual.

P – E a pena de morte?

R – Sou contra a pena de morte. A sociedade não pode cometer o mesmo ato atroz cometido pelo homicida.

P – E o aborto?

R – Sou a favor do aborto. Mas com restrições.

P – Quais?

R – Há mulheres que, por relaxo, fazem cinco ou seis ou sete abortos. Simplesmente por não tomarem cuidado. E isso é brincar com a vida. E não se deve brincar com a vida. Uma mulher estuprada, por exemplo, tem todo o direito de fazer aborto. Ou em qualquer outra circunstância grave ou séria. Mas, por outro lado, quero deixar claro que não sei se teria a mesma opinião a respeito do aborto se eu fosse mulher. Pois é muito fácil julgar algo ou alguém quando se está literalmente fora da situação. O que acabo de dizer é um ponto de vista masculino.

P – E o homossexualismo?

R – O homossexualismo é uma realidade que existe desde que o homem existe. Inclusive existe entre algumas espécies de animais. Hoje já se sabe que não se trata de doença, nem de formação, nem, como se diz popularmente,  de sem-vergonhice. Nasce-se ou não homossexual. Não existe essa tal de opção sexual. A pessoa não opta: é ou não é homossexual. Portanto os homossexuais devem ser respeitados. E, afinal de contas, é também uma questão de liberdade individual. Cada um faz com seu corpo o que bem entende. Um homem que deita com um homem ou uma mulher que deita com uma mulher não está invadindo a liberdade pessoal de ninguém. Sexo entre dois homens ou entre duas mulheres não prejudica ninguém na sociedade.

P – Mas é algo que ainda incomoda a sociedade.

R – Sim, de fato, ainda incomoda. A sociedade tem pavor de tudo o que foge ao padrão vigente. De tudo o que foge do modelo a ser seguido. Do modelo pré-estabelecido. De tudo o que é diferente. E eis a questão. Ser diferente. Aí entramos em algo muito mais abrangente que o homossexualismo propriamente dito. Durante séculos, em todas as culturas do Planeta, ser diferente foi o equivalente a ser culpado. Ser diferente era um espinho que tinha de ser extirpado da sociedade. Era coisa do demônio. O ser diferente era apontado como um ser marcado para morrer. E assim se cometeram, durante séculos e séculos de intolerância, as maiores atrocidades contra todo tipo de minorias, fossem religiosas, raciais, étnicas ou sexuais. E massacraram índios, negros, judeus, ciganos, armênios, curdos, homossexuais e mulheres que não se submetiam às condições aviltantes impostas pelo patriarcado. Em nome de quê? Do fanatismo com sua cegueira e intolerância. Pobre daquele que acha que sua religião é a melhor. Ou que sua etnia é a melhor. O que seu país é o melhor. Não ultrapassou ainda a Idade da Pedra.

P – Você é a favor do casamento entre homossexuais?

R – Por que não? É uma questão de bom senso. O casamento heterossexual é apenas um contrato comercial. Por que não o seria o casamento homossexual? É evidente que um contrato genuinamente capitalista na sua origem, não tem nada a ver com o amor. Pessoalmente acho que duas pessoas que se amam (um homem e uma mulher, duas mulheres, ou dois homens) não têm nenhuma satisfação a dar a ninguém, principalmente à sociedade, assinando hipocritamente um contrato.

P – O que é ser livre?

R – Ser o que se é. Ter a coragem de respeitar-se, mesmo que isso implique enfrentar a fúria da maioria silenciosa. Ousar viver  integralmente as convicções sem restringi-las por motivos escusos, sejam políticos,  sociais, ou morais.

P – Existe influência de Nietzsche em sua obra?

R –  O homem superior? Talvez. Mas não direta.

P – O que é ser superior?

R – Despojar-se de tudo o que é supérfluo para atingir a essência. E ter a coragem de viver na vida prática certos preceitos de elevação espiritual sem subordiná-los a interesses ou convenções sociais. Ser superior tem muito a ver com ser livre.

P – A busca constante em suas obras tem a ver com essa superioridade e essa liberdade?

R – Sem dúvida. Mas não é só isso. Entra também o absurdo e o desejo obsessivo de compreender o sentido da vida.

P – Como você vê a violência?

R – Enquanto houver desigualdade social e miséria, haverá violência. Os privilégios que desfruta a classe dominante no Brasil são absurdos e não condizem com o mundo atual. A Revolução Francesa de 1789 ainda não chegou ao Brasil. É inconcebível que essa classe dominante seja tão burra que não chegue a entender (ou não queira) que tem que ceder algo para conservar a sua posição. É evidente que nos não temos democracia. É evidente que todo brasileiro não é igual perante a lei. As leis sempre foram feitas por determinados grupos para favorecer esses mesmos grupos, no poder. A divisão de riquezas no Brasil não é lógica, não faz sentido. Socialmente o Brasil é um país cruel, o que acaba gerando algo totalmente irracional como a violência. É absolutamente inadmissível que um ser humano não tenha o que comer – no Brasil ou em qualquer país do mundo – quando há comida para todos no Planeta. Logo, nada, absolutamente nada, nenhuma ideologia, religião ou raciocínio criminoso, justifica que um ser humano passe fome e acabe morrendo de fome. E se eu tivesse filhos pequenos chorando de fome, roubaria com a consciência tranqüila, pois seria, em tal circunstância, um direito natural que me assiste. Em outras palavras: roubar para comer é um ato legal.

P – E o respeito à propriedade privada?

R – A propriedade privada que se renove e reestruture a sociedade para que não haja fome. E isso não é utópico. Basta querer fazê-lo.

P – Você fala muito em sua literatura de ética. Como vê a ética hoje em dia?

R – Aidética. Hoje em dia só existe a ética do dinheiro. Tudo se vende e tudo se compra neste imenso bordel em que se transformou a sociedade consumista neoliberal e todas as suas instituições. O capitalismo selvagem – desculpe o clichê – conseguiu destruir todos os valores éticos do Ocidente e, por extensão, da humanidade. Acabou-se  a ética, a lealdade, a honra, a retidão de caráter, os princípios, até a justiça virou uma farsa a serviço dos interesses criados. Tudo, absolutamente tudo, foi submetido ao poder – logo a degradação – do dinheiro. E embora o grande Quevedo já denunciasse o poder corruptor do dinheiro no século XVII, nunca se chegou ao cinismo que atingimos agora nesse sentido. Portanto, vivemos num mundo de putos e putas que legalizaram a putaria putamente  instituída com o puto dinheiro.

P – E Deus, onde anda?

R – Deve estar em outra galáxia. Ou no limbo. Cansado do gênero humano.

P – Então não há nada em que se possa acreditar?

R – Por uma questão de princípios temos que continuar a acreditar na conscientização das pessoas. Temos que continuar a acreditar na ação.

P – Que ação?

R – Manifestar-se. Tomar posição. Tomar partido. Paralisar um país. A desobediência civil. O boicote. Existem inúmeras maneiras de dizer não sem apelar para o terrorismo. O que não podemos é  ficar parados como lacaios.

P – O que você acha do terrorismo?

R – Sou contra a matança de inocentes.

P – E o 11 de Março em Madrid?

R – O governo de Aznar não tinha por que  ter enviado tropas ao Iraque. Está na hora de a União Européia deixar de ser vassala de Bush.

P – Sua peça As Loucas Gaivotas Morrem na Fronteira é sua obra mais “política”. As tiradas de alguns personagens contra a globalização e o belicismo  do governo Bush são particularmente fortes. Como você vê o consumismo e a globalização?

R – O consumismo é um entorpecente. As mentes viciadas ficam embotadas, impedidas de pensar, portanto alienadas. E não só não reclamam, como em sua deplorável letargia, ficam satisfeitas e felizes nessa espécie de anestesia da consciência. Logo, o lema “seja imbecil e consuma” encaixa-se perfeitamente  nesta situação. Quanto à  globalização, já falei em meus livros e em outras entrevistas. Uma pessoa verdadeiramente honesta não pode admitir a injustiça social da globalização. Eu não posso admitir um sistema que faz a fome aumentar no mundo, que fomenta a corrupção e que degrada os valores humanísticos. E não posso respeitar uma sociedade que é movida apenas pelo lucro. A globalização é imoral. Há algo sórdido em sua lógica mercenária que promove a putificação do ser humano. É um lixo com verniz de falsa liberdade e de prosperidade para uma minoria. Sou humanista e parto do princípio fundamental de que a dignidade humana deve ser preservada. E a miséria degrada a dignidade humana. Isso é um fato. Deveríamos ser mais generosos uns com os outros. Afinal de contas, é um preceito fundamental.

P – A sua obra está pontuada por música, pinturas e esculturas. Qual é a cor de sua literatura?

R – As cores de Goya, Caravaggio, Delacroix. O vermelho e o negro, de paixão e morte, de modo geral. Mas eventualmente aparece a lucidez metálica  do azul, ou o abismo metafísico do  branco.

P – E qual é o som?

R – O do violoncelo. Bach. Handel. Mozart. E outros, claro.

P – Há também muitas referências cinematográficas em sua obra. Quem você “vê” em seus livros, além de Visconti, Angelopoulos e Resnais.

R – Muitos, pois sou cinéfilo e eclético. Fellini, Scola, Antonioni, Zurlini, Pasolini, Bergman, Terrence Malik, Saura, Tarkovski, Mizoguchi, Satyajit Ray, Manuel de Oliveira, Orson Welles, Herzog e, claro, Buñuel. Mais recentemente Sokurov, Kusturica, Gianni Amelio e Lars von Trier. Enfim, de modo geral, todos os grandes. Minha obra tem uma forte influência do cinema.

P – Algum filme marcante ultimamente?

R – Dogville de Lars von Trier. Uma experiência extraordinária. Um ensaio impecável sobre a ética e a política realizado com inconcebível ousadia. O impacto da década.

P – Algum escritor vivo?

R – Saramago. Identifico-me totalmente com sua literatura. E com suas idéias. Admiro-o como escritor e como homem.

P – Algum escritor brasileiro vivo?

R – Para não ferir suscetibilidades, prefiro citar um que já partiu: Osman Lins. Mas é claro que existem bastantes, vivos, que  admiro.

P – O que significa a literatura para você?

R – Um sacerdócio. Uma fonte de prazer e de tristeza.

P – Explique-se.

R – A entrega é total, absoluta. Criar é um gozo. Um prazer de deus. Não ser lido é uma dor. Uma tristeza de pária.

P – Em seus livros, seus comentários sobre os escritores não são propriamente lisonjeiros. Como você explica isso?

R – Estou apenas me autogozando. O que acho bastante sadio, pois sou muito sério. Mas eu tenho um profundo orgulho de ser escritor.

P – Você pretende continuar a escrever teatro?

R – Sim.

P – Algum projeto?

R – Uma outra peça de teatro.

P – Pode falar sobre ela?

R – Não. Ainda não.

P – Algum desejo?

R – Sim. O silêncio.

P – Não é uma contradição?

R – Não.

Março 2004

Violência em SP, Petraeus e Israel

 

            Violência em SP

Levando em consideração que todo país com desigualdade social é atrasado e violento; que todo país com desigualdade social é presa de fanatismo religioso e ideológico; que todo país com desigualdade social está sujeito a convulsões sociais, chegamos à conclusão que praticamente toda violência é social – logo, política – desde a violência no futebol até a disputa por terras. Portanto, a guerra entre a polícia de São Paulo e os bandidos é uma guerra social, logo, política. É necessário entender que toda a violência que assola, não só São Paulo, mas o Brasil todo, só será erradicada com profundas reformas sociais, pois nação com igualdade social é nação em paz social. Os privilégios de determinados setores da sociedade brasileira fazem pensar naqueles privilégios que usufruía a classe dominante francesa antes da Revolução de 1789. Em outras palavras, a Revolução Francesa de 1789 ainda não chegou ao País. Um exemplo recente é o abuso, a desfaçatez, o descaro, a sem-vergonhice de os senadores – esses parasitas – não pagarem imposto sobre o 13° e 14° salários. Mas o Brasil é um país lento em termos de reformas sociais. Foi lento em proclamar a independência. Foi lento em proclamar a República. Foi lento em abolir a escravatura. Foi lento em instituir o divórcio. A legalização da droga, então, nem se fala. Mesmo porque as altas rodas do poder lucram com o narcotráfico. Essas mesmas elites que, no fundo, indo bem à raiz, sempre travaram as reformas sociais, reformas que o sempre inerte, frouxo e omisso governo, fazendo o jogo dessas elites – antes era a aristocracia rural, agora são os grandes grupos corporativos – não ousava promover. Sabe-se que a repressão da polícia e do Exército nunca vai acabar com o tráfico. Por outro lado, de acordo com estudos realizados no México, a legalização da droga diminuiria o lucro dos cartéis em 70%, o que diminuiria o tráfico e desincentivaria os traficantes. Mas os interessados em manter o status quo alegam, perversa ou hipocritamente, que legalizar a droga é imoral.

Petraeus

            Ninguém tem nada a ver com a vida privada de ninguém. Logo, ninguém tem nada a ver com a vida sexual do general norte-americano Petraeus. Uma figura pública, seja general ou presidente (como o caso Clinton), deve ser julgada pelo seu desempenho profissional e não pela sua vida sexual. Cada um tem o direito de deitar com quem quiser. Mas os EUA são tão atrasadamente fundamentalistas que, em pleno século 21, continuam a se imiscuir descaradamente na vida privada de seus cidadãos. Ou seja, a sociedade norte-americana é tão retrograda que chega ao ridículo com sua moral sexual vitoriana ainda em vigor. Há nisso uma tremenda hipocrisia se levarmos em conta que os EUA invadem, destroem, torturam e assassinam e, ao mesmo tempo, ostentam um moralismo fundamentalista em relação ao sexo. Existe nesse repulsivo – porque sendo ranço se opõe ao solar – provincianismo moralista norte-americano uma repressão sexual que gera violência, logo, não é de se estranhar que os EUA sejam um país essencialmente violento. Aliás, como já disse várias vezes, todo aquele que prega a aberração da abstinência sexual deveria ser preso e condenado por lei por incitação à violência. Os homens deveriam empunhar o pênis com mais frequência que as armas.

Israel

Sou um profundo admirador do povo e da cultura judaicos. E sou a favor de que todas as escolas do mundo ensinem às crianças o que foi o Holocausto para que essa tragédia da humanidade (e não só dos israelitas) esteja sempre presente na memória de todos os seres humanos, independentemente de raça, etnia ou religião. Mas judeu é uma coisa e israelense é outra. Portanto, qualquer cidadão amante da liberdade e da justiça, não pode admitir que, após mais de sessenta anos da criação do Estado de Israel, ainda haja campos de refugiados palestinos. Não se pode aceitar a invasão de assentamentos na Cisjordânia. E é de se condenar a atitude fascista do governo de Israel em relação aos territórios palestinos. É absolutamente inadmissível que a ONU ainda não tenha reconhecido a Nação Palestina, soberana e independente. E é vergonhoso que os EUA e a Europa não tenham pressionado e exigido a independência do povo palestino. É mais do que óbvio que, sem a independência dos territórios palestinos, jamais haverá paz entre árabes e israelenses.

21-11-2012

R.Roldan-Roldan é escritor

www.davidhaize.wordpress.com

Publicado no jornal Correio Popular de Campinas/SP em 4 de dezembro de 2012