Foda-se! (Doçuras Burguesas) – Definições, Máximas e Pensamentos com Aroma de Bakunin

agosto 28, 2013

Foda-se! (Doçuras Burguesas)

Definições, máximas e pensamentos com aroma de Bakunin

 

Abstinência (sexual) – Aberração.

Academia de Letras – Mediocridade do ranço literário e político.

Acadêmico (universidade) – Repete os rótulos decorados que estão em voga e se acha um intelectual.

Ação – Acredite na ação, nunca na palavra.

Ambição – Despreze-a quando não é intelectual ou espiritual.

Amor – Sincronismo do tesão.

Angelopolous – Deus grego da Sétima Arte.

Apresentadora (de TV) – Seios, nádegas e QI de galinha.

Apresentadora (de TV) – Silicone e QI (quem indique).

Arte – A mais alta expressão da espiritualidade.

Arte – A mais elevada expressão humana.  

Arte – São intelectualmente inferiores os que a consideram inútil.

Assange/Julian – Herói.

Baudelaire – A carniça pode ter fragrância de poesia.

Beethoven – E Deus se fez som.

Beethoven – Quando o genial atinge o sublime.

Beleza (feminina) – Anouk Aimée aos 30 anos.

Beleza (feminina) – Gene Tierney aos 30 anos  

Beleza (femenina) – Marie Laforêt aos 30 anos.

Bergman – A não resposta divina em preto e branco.

Bosch/Hieronymus – Antecipou-se quatro séculos a Freud.

Buñuel — A  bela da tarde, com discreto charme, passeia seu cão andaluz.

Burguês – Se não for erudito, só serve para consumir como um porco.

Caravaggio – Himeneu da luz e da Margem.

Casamento – Confortável, mas castrador.

Coluna Social – Adequada para pobres de espírito.

Competitividade – Sordidez.

Conformismo – Vulgaridade discreta.

Consciência – Tem prioridade sobre a hierarquia.

Conservadorismo – Nossa, que fedor de cachorro morto!!

Consumismo – A arte de engolir suavemente o fascismo.  

Convenções (sociais) – Sob medida para frouxos e hipócritas.

Copular – Verbo sagrado.

Corporações – Ditaduras privadas.

Cupim – A sociedade capitalista do século XXI.

Descartes – Suas ideias eram mais do que cartesianas.

Deus – Absolutamente racional.

Deus – Comercializado pelos mercenários da religião.

Deus – Exilado pelos mercenários do neoliberalismo.

Deus – Ignora os intermediários.

Deus – O Nada, o Absoluto, o Inominável.

Ditadura (militar brasileira) – Terrorismo de Estado.

Economia – Totalitarismo.

Economista – Tão burro, tão limitado, tão ignorante, tão atrasado, tão retrógrada que prioriza a economia em detrimento dos valores humanos.

Economista – Iluminado como cérebro de galinácea.

Escritor – Certamente não é aquele que escreve baboseiras pseudomísticas.

Escritor – Certamente não é aquele que escreve picaretagens de autoajuda.

Escritor – Copula com as palavras.

Escritor – Egocêntrico revestido de ascetismo.

Escritor – Neurótico com tinta nas veias.

Escritor – O tesão da escrita lhe provoca ereção.

Escritor – Superior quando subordina tudo à literatura.

Espionagem – Toda violência contra a espionagem do cidadão é legítima e justificada.

Espiritualidade – Por ser mais despojada, a laica é superior à religiosa.

Eufemismo – Sinônimo de hipocrisia.

Exílio – A impossível convergência de ser e estar.

Exílio – Deslocamento a perpetuidade.

Ferrat/Jean – O maior cantor engajado do mundo.

Ferré/Léo – A poesia anarquista veste traje de gala.

Ferré/Léo – Sob a égide de Apolo, a Anarquia cobre sua pele de estrelas.

Foder – Desígnio sagrado de Deus.

Folga – Dia em que o cidadão pensa que não é contabilizado pelo sistema.

Fontela/Orides – Na cidadela inexpugnável do Silêncio, a maior do Brasil.

Fontela/Orides – O verso cabe numa única palavra.

Fontela/Orides – O voo crucificado do cisne.

Fornicar – Verbo sagrado.

Fundamentalismo – Fétido como cadáver em decomposição.

Garbo/Greta – O divino olhar, impenetrável, incomparável.

Gozar – Não deixe para amanhã.

Goya – Injetando gênio em conteúdo e forma, antecipa-se um século aos impressionistas, aos expressionistas e aos surrealistas.

Goya – Quando o vermelho e o preto corroem.

Homem – A busca.

Homem – O de Nietzsche.

Hedonismo – Omar Khayyam.

Homossexualismo – Equilíbrio ecológico.

Imbecil – Aquele que obedece sem consultar sua consciência.

Insolência – Não querer nada.

Intercurso – Substantivo sagrado.

Jara/Víctor – Mártir chileno assassinado pelos capangas a serviço do usurpador, criminoso e ladrão Pinochet.

Joplin/Janis – Orgasmo estelar.

Justiça – Concebida e exercida pelos que detêm o poder.

Kahlo/Frida – As flores ousam na carne.

Khayyam – A lucidez do Nada.

Khayyam – Antecipou-se a Kierkegaard e Sartre.

Khayyam – Existencialista da Idade Média

Khayyam – Superior pela negação.

Lautréamont – O fascínio sem rosto.

Lautréamont – Os cantos do abismo.

Liberdade – A sagração da superioridade.

Liberdade – O despojamento absoluto.

Lupanar – O neoliberalismo.

Madre Teresa de Calcutá – Quintessência do Amor.

Maio de 68 –  O mês mais romântico de todo o século XX.

Moda – Trapos finos para mentes ocas.

Monroe/Marylin – A suprema sensualidade.

Nada – Quando absoluto, o nirvana laico.

Neoliberalismo – A aversão ao neoliberalismo não é um atestado de amor ao stalinismo.

Neoliberalismo – Ditadura do capital.

Neoliberalismo – O neoliberalismo é tão moderno que fede a múmia faraônica.

Neoliberalismo – Terrorismo do dinheiro.

Oliveira/Manoel de – O humanismo se faz imagem.

Oposição – Serve enquanto não assume o poder.

Orgulho – Não querer nada.

Palavra – Inútil quando não acompanhada da ação.

Palavra – Só a ação pode validá-la.

Palavrão – Evitá-lo atesta o ranço do provincianismo.

Palavrão – Menos vulgar que o eufemismo.

Parlamentar – Larápio profissional.

Parlamentar – O lixo não representa o povo.

Pastor (evangélico) – O dinheiro substitui o sexo.

Provincianismo – EUA e América Latina.

Politicamente correto – A sagração da imbecilidade.

Querubim – Ejacula poesia.

Pessimismo – Lars von Trier.

Polução – Hipnos rega o sonho com sêmen.

Polução – O mais elevado ato de ejacular.

Polução – O esperma concretiza o sonho.

Puta – Faz às claras o que muitas damas fazem às escuras.

Putaria – O neoliberalismo.

Putin – Tem estofo de ditador, mas ele é necessário para conter os EUA.

Radicalismo – Mais do que atingir um objetivo, a meta é destruir a ideia oposta.

Rede social – A não ser que seja para derrubar um governo, só serve para alienar.

Religião – Comercialização de Deus.

Religião – Guerra e repressão.

Religião – Profanação da palavra de Deus.

Resnais – A memória dói em Marienbad e Hiroshima.

Revolução – Faxina permanente para não acumular sujeira.

Rimbaud – A genialidade consagrando a Margem.

Rimbaud – Alguns deuses são marginais.

Rimbaud – O esplendor da marginalidade.

Rótulo – Marca dos imbecis.  

Sábio – Não querer nada.

Santa Teresa de Ávila – A força da libido faz levitar.

Saura – Os lobos de Ana criam corvos no centenário de mamãe.

Serafim – Seu esperma se transforma em poesia.

São Francisco de Assis – Hippie da Idade Média.

Sexo – A primeiríssima função do Homem na Terra.

Sexo – Prioridade absoluta.

Silêncio – Essência do Universo.

Silêncio – Dilata a alma.

Silêncio – Mistério dos Primórdios.

Silêncio – Para gostos sofisticados.

Silêncio – Regeneração.

Snowden/Edward – Herói.

Sonho – O eterno retorno.

Sosa/Mercedes – Dignidade exemplar para todas as cantoras e todos os cantores do mundo.

Tecnocrata – Culto como flatulência de asno.

Tesão – O pulsar sagrado da vida.

Universal – Ser tudo e nada.

Valores – Se variarem com a bolsa, destrua-os.

Vandré – Sacrossanto esperar não é saber o torna grande.

Van Gogh – A tangibilidade do fulgor.

Villon – A Margem se veste de Poesia.

Violência – Pode ser necessária ao país como cirurgia ao corpo.

Visconti – O fausto da aristocracia perdida e o estandarte vermelho.

Visconti – Magnificência da Ursa Maior em baile do Tempo Perdido.

Visconti –  Seu Tempo Perdido se reflete em Proust.   

Voltaire – A finesse otimista do sarcasmo.

Vulgaridade – O que não ousa ser.

Xenófobo – A paleontologia explica.

Yankee – Go home!

Zaratustra – Assim falava o Homem Superior.

Zorra – O neoliberalismo.

14-08-2013

 

 

 

Anúncios

Uma resposta to “Foda-se! (Doçuras Burguesas) – Definições, Máximas e Pensamentos com Aroma de Bakunin”


  1. Muito oportuno o texto, além de bem elaborado. Cai como um tapa carinhoso no rosto de muita gente.
    Aparecido Raimundo de Souza (jornalista)


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: