Jorge Roldan, Curador de Mostras de Cinema

outubro 2, 2013

Jorge Roldan, Curador de Mostras de Cinema

 

            Assistindo ao ótimo Hannah Arendt, cinebiografia da filósofa alemã, de Margarethe von Trotta, a maior cineasta mulher do mundo, autora, entre outros filmes, de Rosa Luxemburg e Os Anos de Chumbo, somos levados a lembrar-nos da solidez, consistência e coerência da obra da diretora alemã. E, pessoalmente, a recordar meu encontro com essa figura maravilhosa – como profissional e como ser humano – há alguns anos em São Paulo. Pois ela esteve na capital paulista em 2006 para acompanhar a exibição, no CCBB, de sua filmografia completa.           Foi Jorge Roldan, curador e produtor de mostras cinematográficas, que a trouxe ao Brasil.

            Jorge Roldan, professor de cinema, autor de ensaios publicados em várias revistas especializadas, pesquisador de cinema, foi um admirável exemplo de uma vida dedicada ao estudo não só de determinados filmes e cineastas, mas à própria história da sétima arte. Lendo jornais e revistas, constatamos (pelo menos os cinéfilos de carteirinha) que os novos críticos deixam muito a desejar em termos de conhecimento da história do cinema mundial. Conhecer os grandes vultos da cinematografia internacional, que estão ou estiveram na mídia, como Fellini, Buñuel, Bergman, Almodóvar ou Woody Allen, não significa que se esteja realmente por dentro do cinema desde seus primórdios até os dias atuais. A criatividade de Jorge Roldan como curador de mostras e sua cultura demonstrada em críticas e analises realmente se sobrepõem ao lugar-comum e a modismos.

            De fato, este curador e produtor não se limitou, como faz a maioria dos curadores, a oferecer ao publico paulistano – e carioca e brasiliense em alguns casos – o déjà vu, ou seja, o já trilhado inúmeras vezes, como as mostras de cineastas consagrados. Não é que os grandes consagrados pela mídia não mereçam mostras. Não. O que não podemos esquecer é que o cinema não é feito só pelos diretores acima citados ou por outros como Orson Welles, Coppola, Scorsese, Saura, Kurosawa, Visconti, Antonioni, Resnais ou Truffaut. Exatamente como a literatura na Inglaterra não se resume só a Shakespeare, na Espanha a Cervantes, na Rússia a Tolstoi e no Brasil a Machado de Assis.

            Entre outras mostras, e além da mostra da obra completa de Margarethe von Trotta, Jorge Roldan trouxe ao Brasil Robert Guédiguian e sua filmografia completa. Guédiguian (que veio com Ariane Ascaride, sua mulher e protagonista de quase todos os seus filmes), como cineasta engajado não poderia deixar de agradar ao curador Roldan, que foi militante durante a ditadura militar. Aliás, graça a este curador, São Paulo foi a única cidade das três Américas que exibiu a obra completa do diretor francês de origem germano-arménia, autor, entre outros filmes, do terrível (no bom sentido) A Cidade Está Tranquila.

            Outras mostras importantes deste especialista em Bergman, Kieslowski, Angelopoulos e em cinema noir dos anos 1940/50, foram a do acima citado diretor polonês, a do cinema da Alemanha do nazismo ao pós-guerra, a do cinema social alemão, a do enfoque das drogas pelo cinema espanhol, a do cinema francês pré-nouvelle vague, a do cinema de Yoji Yamada e a mostra Divinas Mulheres, com filmes protagonizados por grandes atrizes como Anna Magnani, Jeanne Moreau e Liv Ullmann entre outras. Como vemos, mostras que fogem ao lugar-comum.

            Humanista, extremamente coerente em suas analises sobre cinema, possuidor de vasta cultura cinematográfica, Jorge Roldan, nascido no Marrocos e naturalizado brasileiro, tinha o projeto de trazer Ken Loach (que ele tanto admirava) e sua filmografia e o de reunir todos os seus ensaios num livro. Partiu antes de realizá-los. Ele deixou com seu desaparecimento uma lacuna cultural em São Paulo. A vaga de melhor curador de mostras de cinema da capital paulista ainda não foi preenchida por nenhum outro.

20-09-2013

R.Roldan-Roldan é escritor

www.davidhaize.wordpress.com

Publicado no Correio Popular de Campinas/SP em 1° de outubro de 2013

 

                         

Anúncios

4 Respostas to “Jorge Roldan, Curador de Mostras de Cinema”

  1. Magali Rolfsen Says:

    Justíssima homenagem a esse que foi um grande curador, intelectual, humanista, amigo e dono de uma cultura singular. Lacuna que dificilmente será preenchida com tamanha competência! Grande e querido Jorge Roldan!

  2. Priscila Olante Says:

    Espero que esta vaga seja preenchida, nos merecemos acesso a uma cultura decente, espaco dificil nas cidades brasileiras e esta luta somente e possivel com o envolvimento e empenho dos amantes da arte.

  3. Luis Says:

    Ataulfo, meu caro, confira isto:

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/paulo-coelho-e-a-extravagante-lista-dos-70-escritores-de-frankfurt/

    Sempre ele; Paul Rabbit…
    Abraço + bom FDS,

    Ludovico von Kulletus


  4. I’m afraid I was unable to locate your English poetry.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: