O Rimbaud Negro

ou

A Lua do desejo

 

 

BLACK RIMBAUD OR THE MOON OF DESIRE

ROCK OPERA BIO

FLASHBACK

DESAPARECE COM SEU AMIGO NO BUTÃO

O mundo é muito pequeno para minha sede

teu vômito faz tua grandeza

POETA PROFESSOR ATIVISTA POLÍTICO

Não vim ao mundo para escrever frouxidões edulcoradas

tua luz me faz com os estilhaços do teu corpo

DIONISÍACO HEDONISTA PRIÁPICO LIBERTÁRIO

A poesia como a alma tem músculos sangue e esperma

tua lua me coagula o esperma de tua mente

IRREVERENTE INSOLENTE TEMPESTIVO PASSIONAL GENEROSO CALOROSO SACRALIZA O SEXO

A poesia também é ação

teu urro injeta loucura criativa em meu cérebro

ALTO ESBELTO BONITO OLHAR PERTURBADOR

Meu sangue é quente meu esperma lírico

injetas-me paixão nas artérias do meu intelecto

POESIA VULCÂNICA VISCERAL ORGÂNICA DELIRANTE E

Ser si próprio mais que ousadia é dignidade

respeitas o que és para não te desintegrar

EXISTENCIAL E METAFÍSICA

Não existe dignidade sem fidelidade a si próprio

és essência estado bruto de integridade

NASCE EM COTONOU/BENIM

A poesia não se escreve se vive

quem és tu Rimbaud Negro

DE PAI FRANCÊS E MÃE AFRICANA

A poesia é indomável não se submete

 teu voo perfaz teu sangue

COM NOVE MESES É RETIRADO DA MÃE E LEVADO PARA A FRANÇA

A poesia como o sexo é uma força da natureza

quem és tu Rimbaud Noir entre a África e a Europa

A MÃE FICA NO BENIM E MORRE POUCO DEPOIS

A poesia me eleva a mais alta espiritualidade laica

em lascívias vespertinas extrais os espinhos da minha alma

TRÊS ANOS DEPOIS MORRE O PAI

O poeta que se alia ao poder é mercenário

do leopardo cravando os dentes em carne fresca

ÓRFÃO É CRIADO PELOS AVÓS PATERNOS

O poeta deve colocar a poesia acima de sua vida

às insolências parisienses

ESTUDA LETRAS E VARIAS LÍNGUAS AFRICANAS YORUBÁ WOLOF E AMÁRICO

O poeta que não vai a extremos não sabe o que é poesia

passando pela milenar Etiópia

APAIXONA-SE POR RIMBAUD

Sou instinto um animal africano que escreve poesia em francês

fincas em mim o gozo da criação

PEREGRINAÇÃO RIMBALDIANA

Gozem que amanhã vocês podem estar mortos

e alças voo em direção aos paraísos baudelairianos

CHARLEVILLE BRUXELAS LONDRES HARAR ÁDEN

Só se vive uma única vez o resto é baboseira

de tua mente em ebulição/evolução/revolução

PARTICIPA DE MAIO DE 68

A normalidade é inimiga da criação artística

e tua carne e asas me tornam outro eu

COM A CONSCIENTIZAÇÃO POLÍTICA

Viver é ousar transgredir desafiar

que em ti reencontro

VEM A CONSCIENTIZAÇÃO DE SUA NEGRITUDE

Quem não ousa não goza

selvagem na lucidez da paixão

RETORNA AO BENIM ÀS ORIGENS

A vida sem prazer não faz sentido

quem és tu Black Rimbaud

CHORA A MÃE AGUDÁ QUE NÃO CONHECEU

As minorias são superiores já que elas sobrevivem

que me redimes do desassossego de viver

VOLTA ÀS ORIGENS DAS ORIGENS À BAHIA

A afirmação da identidade é o respeito a si próprio

para me mergulhar no frenesi de existir

AMA A BAHIA MAS

O fato de abominar as religiões não significa que eu seja ateu

quebro-me em teus arrecifes

DECEPCIONA-SE COM A ALIENAÇÃO DO NEGRO BRASILEIRO

A censura à arte é um crime cultural

e peço perdão por não te ser em horas demoníacas

VIAJA A NOVA ORLEANS

Escrever é como fazer sexo um ato sagrado

sondo teus não-ditos subterrâneos

É DEPORTADO DOS EUA POR PARTICIPAR DAS MANIFESTAÇÕES PELOS DIREITOS CIVIS

Conhecer tudo fazer tudo viver tudo antes de que tudo acabe

de fervor e sublimação submundos

TRÊS CASAMENTOS COM BRANCAS

Deus vomita os mornos diz a Bíblia

e me arrastas na correnteza de teu sangue

PRIMEIRO TRÊS FILHOS

Não diga amem diga não

para me fazer transparecer

SEGUNDO DOIS FILHOS

Nunca compreendi o sentido da palavra eternidade

pavio esgotando o existir no fio da navalha

TERCEIRO DOIS FILHOS

O nada me faz nadar mais livremente

antes de chegar à pólvora explosão

AO LONGO DESSES TRÊS CASAMENTOS

Não nasci para seguir o rebanho

quem és tu Schwartz Rimbaud

RELACIONA-SE COM PROFESSOR NEGRO DE LITERATURA NA SORBONNE

A leveza excessiva pesa demais

explodo em ti para me serenar para me semear

É SEU AMIGO ÍNTIMO E CONFIDENTE

As convenções atrofiam os sentimentos

e busco altares rebeldes

PUBLICA SETE LIVROS DE POESIA

Não preexisto apenas existo

altares que a miséria do dia a dia me nega

TRÊS ENSAIOS SOBRE A NEGRITUDE

Os europeus e os árabes cometeram genocídios na África

e floresces em meus atos outrora esboços

SUAS PALESTRAS INCENDEIAM OS JOVENS

Os cristãos e os islâmicos cometeram etnocídios na África

agora paixão e afirmação da negação

COM SUA MISTURA DE POESIA SEXO PAIXÃO E REVOLUÇÃO

Os cristãos e os islâmicos impuseram o horror da repressão religiosa na África

dessa negação superior que só poupa o amor

CANTA BLUES E TOCA SAXOFONE PARA OS AMIGOS

Tolerância zero com o racismo

vem meu Rimbaud Negro vem

AMIZADE COM LÉO FERRÉ SERGE REGGIANI

Não se deve negociar com o racismo mas destruí-lo

que ousar é feitio dos fortes

PACO IBAÑEZ JOAN BAEZ E MERCEDES SOSA

O ativista não pode ignorar que a melhor defesa é o ataque

vem correr pelas savanas ou pelos bulevares de Paris

SUA ÚLTIMA OBRA POÉTICA REFLETE O SENTIMENTO DE DESLOCAMENTO E ORFANDADE

Uma sociedade presa às superstições da religião é uma sociedade retrógrada estagnada e deve ser revolucionada 

antes de tomar o absinto abismo

O TEMA DO SILÊNCIO SE TORNA OBSESSIVO E SEUS ÚLTIMOS POEMAS ESTÃO IMPREGNADOS DA MELANCOLIA DA NOSTALGIA

O barulho suja o silêncio limpa

vem largar os lúgubres corredores do bem-estar

NOVAS VIAGENS DESTA VEZ COM O AMIGO

O totalitarismo do capital é um atentado à dignidade humana

e deitar em misteriosas mansardas

AO BENIM ETIÓPIA BAHIA

 Sou despojado embora seja barroco na cama e na mesa

onde nosso sangue e nosso esperma são um só pó

VIAGEM AO NEPAL E AO TIBETE COM O AMIGO

A ousadia nos fortalece a máscara nos debilita

e nossa iluminação a dualidade entre efêmeras papoulas

DESAPARECE NO BUTÃO COM O AMIGO

Ser ou estar eis a questão

mo ni fe yorubá Rimbaud Negro

DESAPARECE (?) MAS ANOS DEPOIS DIZEM TÊ-LO VISTO EM ULAN BATOR E EM SAMARCANDA

É na plenitude do silêncio que a alma reencontra o seu diálogo

e o eco do teu silêncio perpetua meu estrondo

E EM VLADIVOSTOK

O verdadeiro intelectual só pode ser cosmopolita

sempre e todo estarás no vasto mundo respirando o não dito  

E NA BAHIA

Senhor livrai-nos da imbecilidade da maioria

recolho-me em ti atos universais sem palavras   

10-06-18

 

Anúncios