A Finesse da Classe Média

fevereiro 10, 2013

A Finesse da Classe Média

 

            Tão charmosa. Tão elegante. Tão sutil. Tão discreta – quase como naquele filme clássico de Buñuel. Ah, inefável charme da classe média! Ah, indelével encanto da classe média! Se ela não existisse, eu a inventaria em meus livros – parodiando a canção de Joe Dassin. E a faria dançar mambo, rumba ou salsa com a leveza de uma hipopótama prenhe.

Irônico? Levemente. É claro que pretendo falar do lado equino (com perdão do cavalo, nobre animal), paquidérmico (com perdão do elefante, belo animal), bovino (com perdão da vaca, sagrado animal) e claro, do suíno (com perdão do porco, simpático animal). Um vídeo da admirável Marilena Chauí sobre as “boas maneiras” da classe média me fez pensar no assunto e me instigou a escrever sobre ele. Ou seja, sobre a má educação, sobre os hábitos vulgares, sobre a total falta de educação de uma faixa social que se situa entre a espontaneidade do povão e a classe da alta burguesia. Haja paciência para aturar a grossura dos nouveaux riches e de sua já proverbial arrogância.

Enumeremos alguns traços de comportamento eloquentes dessa gente fina como o corpo de um rinoceronte. Por sinal, acrescentemos que nessa grossura há – como mencionado acima – uma boa dose de arrogância típica do novo rico. Num restaurante, após a refeição, essas pessoas se levantam e não são capazes de empurrar a cadeira para a mesa para deixar a passagem livre, obrigando o comensal que venha atrás a fazer o gesto para poder passar. Parar carrinho no meio do corredor em supermercado, impedindo a passagem dos outros clientes. Digamos que jogar na rua embalagens de papel, plástico ou metal, seja mais coisa de povão – mas nem sempre. No trânsito, nem se fala. É parar na calçada. É entrar na contramão, à noite, em ruas de pouco movimento. É não respeitar a faixa de pedestres. É não respeitar farol. E assim por diante. No cinema é um desastre. As cocotas da jeunesse dorée (via de regra burrinhas e ignorantes) falam que nem matracas durante a sessão, ou com as amiguinhas ou no celular. Mas há também respeitáveis peruas, ou veneráveis vovós que não resistem a uma fofoca no escurinho da sala. Tudo isso sem mencionar o estalo do refrigerante que se abre ou do desembrulhar de embalagens – exatamente como se estivessem em suas salas de estar assistindo a TV. Ou seja, sem o menor respeito pelos outros espectadores. E não falemos do lixo jogado no chão, pois essas pessoas são incapazes de pegar o lixo do consumo durante a sessão e, no fim do filme, colocá-lo nas lixeiras. Comem e sujam como porcos. E ainda por cima põem as patas nas poltronas ou no respaldo do assento que se encontra a frente. Chegar atrasado em peças, shows, concertos, recitais e incomodar os outros espectadores, é a coisa mais comum – e considerada natural. E, num grau menor, mas que não deixa de ser mal-educado, não responder a e-mails que requerem resposta ou não responder a mensagens na caixa postal do telefone fixo ou celular que pedem resposta.

É claro que a educação começa em casa e prossegue (ou deveria prosseguir) na escola. Mas não se pode esperar muito de pais e professores mal-educados no sentido de eles transmitirem os princípios elementares de comportamento social. Digamos que se a TV servisse para alguma coisa – além de embrutecer as pessoas e enervar com publicidades cretinas – faria campanhas pela boa educação que, no final das contas, é respeito pelo próximo.

20-01-2013

R.Roldan-Roldan é escritor

www.davidhaize.wordpress.com

Publicado no jornal Correio Popular de Campinas/SP em 5 de fevereiro de 2013

 

 

Anúncios

Uma resposta to “A Finesse da Classe Média”


  1. É isso mesmo primo! sem mencionarmos as novas “madames” com seus cachorrinhos cagando nas calçadas! Aqui em minha terra, mais especificamente em meu bairro, já vejo um e outro trazendo a sacolinha para recolher os dejetos de sua “estimação”. Quanto à televisão, acho que ela começa a cumprir este papel educacional, pois já encontramos algumas “campanhas” neste sentido, tipo “se beber, não dirija”. Como vê, ainda há esperança…


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: